18.3.09

[...Marcadores Do Sono...]

{... invertem-se os livros. pintam-se as palavras. marcam-se as páginas para que o tempo não se esqueça das imagens que a vida contém. somos, como palavras esquecidas na biblioteca do tempo. já as imagens e as cores nunca adormecem. não se esquecem. surgem nos sonhos vezes sem conta. sempre... mudas de palavras. exibem cores e mais cores na memória do que somos. é a lógica do tempo que povoa a montanha entre serras. sem palavras. observando as cores. só na companhia de alguns livros, que sempre que os vamos abrindo... pintamos nas suas palavras: imagens. tudo isto, para que o sonho não se invirta em sono para sempre... e se esqueçam todas as palavras pintadas que cada quadro tem.}

2 comentários:

Tchi disse...

Palavras de sentir soltas, até, no sono.

Bonito ensaio.

K. disse...

No final, tudo será o grande esquecimento.