1.2.05

Convento de São Paulo - "O Branco No Branco"

Trago a mão toda aberta

Sem nada ter para dar.

Acerto de uma mão liberta

Com um poema para cantar.

Ele foi feito na esperança

Entre um sonho e outro Sol,

Com um sorriso de criança

E um canto de rouxinol.

Por isso o gesto da mão

Nada tem nele contido;

-Oh meu verso desilusão

Que tens tanto haver comigo...

Se nasceste das quimeras

Como uma brisa no mar,

Olho dunas e deveras

- Onde está o meu Lugar?


Do Poeta João Vasconcelos para Lápis Exílis

6 comentários:

kotacção disse...

Passei por este seu blog vindo sei lá de onde. Gostei do que intuí. Desejo-lhe um enorme bom astral.

musqueteira disse...

Viva Kotação,
Um Lápis é um Lápis!
Espero que visite mais vezes Lápis Exílis.

Isabel Magalhães disse...

Olá Maria;

Belo o Poema do João Vasconcelos. Belos os seus trabalhos que gostaria de ver mais de perto. Não tem fotos de cada um?

*** I.

musqueteira disse...

Viva IM,
O poeta João vasconcelos, tem belos poemas a serem editados,num recente Livro.
Poderá ver estes quadros quando quiser, estão em catálogo e aqui no "Atelier" já só tenho trés desta exposição que foi realizada no Convento de São Paulo, em Novembro de 2003.
Posso enviar, as imagens e o catálogo.
Quando quiser, assim o farei.
;) Saudações...das tais,

Isabel Magalhães disse...

Maria;

Fico então à espera do envio das imagens... ou de um post - ou vários - com as mesmas.

Para quando o lançamento do livro do Poeta? :)

Saudações! :)))

musqueteira disse...

Irei editar os quadros, e o livro do João vasconcelos está para breve!Avisarei a data.
:)))))))))) saudações